Tuesday, December 2, 2008

Batique e violência

Domingão ensolarado, marcando mais de 30º no termômetro, saí animada para visitar a BioNat, uma exposição de empresas e produtos naturebas montada no Cais do Porto, na área central da cidade.
A animação também era por conta de uma oficina de batique e tye-die da qual iria participar. Já tenho algum conhecimento dessa técnica mas estava particularmente interessada porque iríamos aprender a usar somente corantes e fixadores naturais, como cúrcuma, urucum, erva-mate, beterraba, couve, cana-de-açúcar, pata-de-vaca...
Ficamos quase três horas recebendo informações, teóricas e práticas e me sentia ansiosa para adquirir o material e fazer minha produção personalizada.
A professora, simpática, os participantes, interessados, o tempo correu depressa.
Para encerrar, um suco de couve com limão me deixou nas alturas e instalada nessa dimensão, fui caminhando de volta para casa.
Estava desplugada do momento real, relembrando o que tinha aprendido, pensando nos materiais que usaria, o suco verde me inebriando e quando percebi, um cara muito alto se postou na minha frente dizendo "me dá essa bolsa agora!".
Nesse momento, desci da minha nuvem distante e aterrisei, violentamente, nos paralelepípedos.
Dois caras enormes atracaram-se comigo numa luta feroz pela posse da minha bolsa e, obviamente, como não sou treinada em artes marciais nem em defesa pessoal, tive que largar a dita para não ter meu braço quebrado.
Saí gritando atrás dos assaltantes e o estardalhaço atraiu a presença da cavalaria (que, geralmente, chega uma fração de segundos atrasada...). Porém, gentilmente, me levaram no dorso de seu corcel branco a rodar pelas vias onde, talvez, os sujeitos estivessem trafegando e pudesse identificá-los.
Mas, era dia de passe livre nos ônibus e algum evento na Usina do Gasômetro trouxera centenas de pessoas para a região e assim, seria o mesmo que procurar uma agulha perdida no palheiro - sou fã de citações clássicas como esta - logo, vou usar mais uma: vão-se os anéis e ficam os dedos!
E tenho que me conformar com esse aforismo, pois ser assaltada e perder alguma coisa, que você obteve dispendendo esforço e energia, para um estranho que pratica a lei do menor esforço, é regra no meio urbano - banalizou.
Como disseram os policiais que me ajudaram: "ainda bem que não estás morta nem gravemente ferida..." - isso vai ter que me servir de consolo, talvez até interceda pelos agressores nas minhas preces diárias, visto que, bondosamente, me deixaram a vida intacta.
Lastimo que a "Operação Papai Noel" tenha começado somente hoje no centro da capital, com o aumento do contingente repressor à ação dos bandidos, para que os portoalegrenses possam fazer calmamente suas compras de Natal...
Poderia ter começado no domingo e então eu teria direito a sair pelas ruas, caminhando com a cabeça nas nuvens, tranqüilamente, sem ter que enxergar um monstro atrás de cada sombra que se move.
Um pequeno prazer que já não podemos desfrutar: caminhar sem lenço e sem documento.
Ontem, uma amiga estava fazendo isso no Parque Marinha e teve que voltar para casa calçando meias, pois os tênis que usava... o meliante levou!
Seria cômico, se não fosse trágico (uma última citação, para não perder o hábito).
Mas o que, inesperadamente, me fez rir, aconteceu quando fui registrar a ocorrência na delegacia e o escrevente anotou na folha o seguinte: "furto mão grande consumado." Achei hilária a descrição do ocorrido...

5 comments:

Maria said...

Oi Vera

Vc deve ter apanhado um susto daqueles... espero que se recupere o mais rápido possível. Viver nesse mundo não é fácil...


O que me leva a escrever mais umas palavras é um desejo que tenho e que acho que vc pode ajudar (e muito) já que tem conhecimentos variados na área de Nutrição.


Há já algum tempo que tenho uma ideia na cabeça... depois de algumas pesquisas, cheguei a conclusão que poucas pessoas sabem comer BEM. Dizem os especialistas em Nutrição que devemos ter uma alimentação variada (e saudável). Ora nada mais certo mas...

* Que quantidades devemos comer por dia a fim de repor a energia que necessitamos??

* Que necessidades nutricionais temos de preencher por dia para ter saúde e prevenir doenças (nutrindo bem o organismo, reforçando unica e exclusivamente o nosso sistema imunológico para «fechar o corpo» como diz a prezada jornalista Sónia Hirsch para assim evitar antibiótico e vacina)??

* Que quantidades vitamínicas, proteicas, minerais, etc. devemos cobrir por dia?? E que alimentos contém essas quantidades para que possamos combiná-los??

* Quais serão as melhores combinações alimentares a todos os níveis incluindo o nível digestivo/enzimático??

* E ainda há a questão da má combinação alimentar que pode deitar tudo por terra... uma coisa a mais disto inibe a absorção daquilo...

* Sem esquecer que as necessidades nutricionais diferem consoante a idade, sexo, ocupação e até maneira de ser! (uma pessoa estressada consome mais energia do que uma pessoa calma não?)... o que vc pensa disto?

Gostaria de elaborar um documento (o mais completo possível) com necessidades nutricionais diárias com todas as vitaminas, proteinas, minerais e etc. discriminados consoante idade, sexo, ocupação (ou seja, esforço físico), etc. mas não sei se o pouco que tenho está correcto ou não... é tudo baseado em pesquisa na Internet... e como li que vc está cursando Nutrição (estou certa?)... me lembrei de pedir a sua opinião... a fim de me certificar que eu e a minha família (de momento o marido e eu) estamos a ser bem cuidados pelo/a cozinheiro/a (que é ou um de nós ou ambos... e já li que o/a médico/a da família é quem cozinha... estou plenamente de acordo!)... não sou nutricionista mas quero aprender a cuidar BEM da saúde da família... já que isso não se aprende na escola... e acho que é uma das coisas mais importantes que toda a gente deveria saber! E acredite que tenho aprendido imenso com vc! :)

A minha questão é então esta:

* Posso enviar a vc o que tenho e pedir que corrija/acrescente o que achar melhor por favor e enviar de volta e publicar no seu blogue? Acho que toda a gente poderia beneficiar dessa ideia bem explorada... como uma «classe» de economia doméstica... o que vc me diz Vera? Vc topa o desafio? :)

Que coisas maravilhosas sairão de todas as nossas cabeças/intuições SE todos unirmos esforços e colaboração no Bem Universal... que maravilhosa colheita!

Um abraço da Maria (a portuguesa que tanto gosta de dar um pulinho nos seus espaços/blogues e que já deixou comentários neste seu blogue).

Obrigada por partilhar connosco o seu conhecimento Vera. Isso é uma prova de amor universal sabia? Continue!

Vera Falcão said...

Maria, a maioria das tuas perguntas têm resposta aqui no blog ou nas minhas comunidades, creio que não é tão difícil montar uma dieta que nos sustente e proteja o nosso sistema imunológico. E é bem simples: evitar industrializados, utilizar orgânicos, fazer as combinações adequadas e usar um pouquinho de cada nutriente e muuuuuuuuita variedade! Lendo a Sonia Hirsch você está no caminho certo. Aqui em casa não usamos antibióticos nem vacinas, acredito no poder dos alimentos para manter nossa saúde e também no poder que a alimentação errada tem de nos deixar doentes.
Não estou fazendo o curso de Nutrição, cheguei a pensar em fazê-lo, mas depois desisti pois quero fazer um mais completo, que além da parte física trata também do mental e espiritual, envolve acupuntura, florais e outras práticas. São três anos de dedicação, então refleti muito antes de decidir o que estudar formalmente, pois informalmente estudo há uns 30 anos (minha família e eu somos as cobaias... rs).
Mas vc pode mandar teu material que leio, apesar de que vc sabe que tenho muitas atividades e não posso prometer urgência.
Um grande abraço

Carla Beatriz said...

Nossa, Vera. Na sexta à noite, houve um assalto a mão armada, com direito a dois tiros, bem na frente da janela de meu quarto! Eu abri a janela para olhar e os ladrões ainda estavam ali, mas na hora, eu não sabia se eram ladrões ou vítimas.
Eu também sofri uma tentativa de assalto no ano passado, mas consegui escapar ilesa e não entreguei minha bolsa. Podes ler meu relato
aqui.
Ainda bem que estás bem, mas o susto é grande e a gente fica traumatizada. :-(

Beijos

Vera Falcão said...

Carla, vc teve sorte de haver pessoas em volta, o que não aconteceu comigo. De qualquer forma, a ferida abre no nível emocional, ficamos ariscas, voltadas para dentro e mais tensas do que o habitual, até que o trauma se dissolva e possamos respirar normalmente de novo.
Os florais estão me ajudando a fazer essa dissolução.

bjs

Carla Beatriz said...

Sim, com certeza, uma experiência dessas nos deixa com medo de tudo, eu não posso ouvir uma moto, que já tenho medo de ser assaltada. :-((((

Beijos