Monday, July 28, 2008

Crianças, são as que mais sofrem...



...quando uma
civilização está em decadência.

Acabei de ouvir no teletragédia das 8 sobre dois bebês que morreram em creches, em lugares diferentes mas sob circunstâncias semelhantes e automaticamente, lembrei do que escrevi em outro tópico (Estamos perdendo nossa "humanidade"?), na semana passada:

É o sistema em que vivemos, que nos motivou a deixar nossos filhos aos cuidados de outros para podermos sair e fazer parte da mão-de-obra que faz esse mesmo sistema girar e proliferar.
Particularmente, acho que os primeiros anos de vida da criança, que são os formadores, deveriam ter a participação integral da mãe. Se as mulheres quiserem trabalhar, que o façam mais tarde, depois da primeira infância do filho. Principalmente, o primeiro ano, onde já é comprovado que a criança desenvolve a sua afetividade.


Sempre achei um grande risco largar um bebê para ser cuidado numa creche, junto a dezenas de outros bebês (a maioria é superlotada: mais uma criança, mais uma mensalidade...), onde é impossível às atendentes darem toda a atenção necessária a todos. Mesmo a mãe, que passa praticamente tempo integral cuidando do filho, vigiando e preocupando-se, não está livre de cometer falhas, o que dirá alguém que está sendo pago para cumprir essa tarefa e ainda assoberbada com muitos para distribuir sua atenção?


Não gosto de generalizar, mas nesse caso, considero as creches como um "depósito de crianças", assim como as clínicas geriátricas são um "depósito de velhos".
Não sou a favor de nenhum dos dois e a existência desses lugares deve-se à modificação das prioridades do ser humano, que deixou o amor ser suplantado por outros sentimentos menos nobres.

Esses fatos lamentáveis vieram juntar-se a tantos outros envolvendo o sofrimento de crianças (menina lançada do alto de um prédio, menina desaparecida no velho continente, meninos baleados, menino arrastado por um carro até encontrar a morte...), notícias essas pululando nas primeiras páginas... mas, e quanto às milhares de crianças desprotegidas, com falta de cuidados básicos, sentindo fome, frio, solidão, dor e desprezo, que andam soltas pelas vias do planeta, frutos da nossa decandente civilização? Elas mostram que algo está MUITO errado na nossa maneira de conduzir a Vida nesse alvorecer do século XXI.

4 comments:

Tricia said...

oi Vera, encontrei teu blog atraves do blog da Ana Claudia. Tô aqui debulhando tudo... sobre as creches, bem, minha filha fica em uma creche desde 14meses, tive alguns contratempos, mas, diante da realidade atual em que a gente tem que sair pra trabalhar, vejo como uma opção melhor que deixar sozinha em casa com uma babá.

=) beijos

Vera Falcão said...

Oi, Tricia, tudo bem?

Pegando as tuas palavras, "diante da realidade atual em que a gente tem que sair para trabalhar": é justamente essa realidade que questiono, que nós criamos e que está mostrando seus inúmeros problemas, alguns deles exigindo urgência na mudança de padrão... temos que mudar nossos paradigmas, rever o processo que nos fez chegar até aqui e verificar se estamos vivendo uma vida plena, saudável e feliz... caso negativo, como e porquê determinamos a criação de um estilo de vida tão violento e anti-natural? Muitas de nossas atitudes são tomadas sem reflexão,
somos empurrados pela ritmo vertiginioso do dia-a-dia, seguindo a corrente que não pode parar...
Não pode?

Bjs

said...

Difícil toda essa situação, Verinha! Tb acho complicado deixar um bebê o dia inteiro na creche e levá-lo pra casa só pra dormir. Enfim, perde-se a convivência na idade mais tenra, em que a criança está aprendendo absolutamente tudo. Mas não dá pra generalizar. Acho que uma boa reflexão sobre valores e prioridades é necessária, mas a creche ainda é uma opção pra quem precisa trabalhar. Privilégio de poucas crianças poder ficar com mãe/pai durante toda a infância! Além de saudável, é um carinho extra.
beijo

Vera Falcão said...

Lamento a sociedade que criou um estilo de vida que afasta as mães de suas crias...
Sou solidária, então, aos casais que optam por não ter filhos; penso que se decidem tê-los, que dediquem-se à sua obra. Colocar filhos no mundo é um projeto, requer planificação, dedicação, amor, sacrifício, investimento, enfim, entrega. As crianças não estão recebendo atenção e elas são a semente do futuro.
Roberta, achei lindo o blog, a tua cara... e as gatas estão fofuchérrimas!

bjs